29 de nov de 2015

[Falando em]: Linhagem Montessales — Retratos da Inquisição (Contos)

Eu gostei tanto do livro Poison Heart (para conferir a resenha, clique AQUI), que assim que terminei a leitura, já me aventurei neste, afinal, a Susy Ramone me enviou além do PH, essa maravilha. P.S: Obrigada, Su! S2

Trata-se de um livro de contos, onde cada história é narrada por um autor(a) convidado. Contudo, esse livro originou-se a partir da trama que leva como título "O Castelo Montessales", obra também da Susy. Aliás, já adianto, o leitor que se enveredar nessa leitura, vai dar de cara com uma narrativa instigante e de perder o fôlego, apresentando os personagens e suas origens. Para quem não sabe, a autora escreve o gênero horror/terror, algo que eu não sou habituada a ler, apesar de gostar pacas. Eu, particularmente, tornei-me fã de carteirinha da autora. \o Agora vamos de sinopse , quote e resenha de Linhagem Montessales - Retratos da Inquisição, uma publicação da extinta editora Literata


Sinopse: Predestinados a viverem em um ciclo de maldições, os descendentes da bruxa Manoela Montessales vieram ao mundo embalados pelos braços de uma assombração inescrupulosa chamada Antony. A intenção do espectro é procriar e para isso ele possui os corpos dos homens e rouba a integridade física das mulheres desta família obrigando-as a gerar filhos e filhas que ele julga serem necessários para uma futura investida. A LINHAGEM MONTESSALES  RETRATOS DA INQUISIÇÃO traz um cenário perturbador, pelo qual Antony não reina sozinho. Ele divide um trono de maldade com os inquisidores portugueses, fazendo com que os herdeiros de Manoela sofram em suas mãos e nas do clero. Saiba como tudo começou, conheça esse Rei sobrenatural e a sua primeira linhagem de escravos através das linhas grafadas pelos talentosos escritores nacionais que compõem a obra.

(clique em cima da imagem para maior resolução)

Antony é um fantasma que não mede esforços para conseguir o que quer, ele é um demônio sem alma, a procura de vingança, tendo como objetivo reencarnar a sua amada Manoela Montessales, que foi condenada e morta pela inquisição. E, da sua forma, ele passa a possuir os corpos de todos os homens com o sangue Montessales, e engravida as mulheres que também têm do mesmo sangue em suas veias. 
A maldição que pairava sobre os Montessales ainda faria muitas vítimas ao longo das décadas, arrastando consigo histórias de morte, incesto, traições, sofrimento e horror até que aquela cujo nascimento motivara a loucura do espectro finalmente voltasse à vida. Na longa linhagem dos Montessales ninguém é completamente inocente... (Conto: Abençoados pelo Demônio  Por Laura Elias)
Ele não mede esforços, e desprovido de qualquer sentimento, pois é um ser demoníaco, age terrivelmente, estuprando, cometendo barbárie com toda a linhagem que criou, e, por fim, caso alguém vá contra os seus anseios, dando um fim na vida de suas vítimas. Contudo, o clero do qual estampa no peito a religiosidade de forma correta, mostra-se tão demoníaco quanto o próprio fantasma, cometendo atos absurdos, injustiçando o outrem e envolvendo-se em subornos rentáveis.
 Não pode mais fugir Melina!  ele esbravejou e Melina soube de imediato quem ele era.  Assim como você, Ana me pertence. Se fugirem, vou encontrá-la de novo e destruir tudo mais uma vez. Não perceberam? Tolas! Eu estou em todos os lugares, assim como estive nos sonhos de Ana, no corpo de Julio, no corpo do padre que te estuprou em Évora, no corpo de Marco... Vocês me pertencem, todos os Montessales me pertencem! (Conto: Marcadas Para Sempre  Por Andreia Pontes)
Os contos são narrados em primeira e terceira pessoa, quase todos com uma linguagem rebuscada, porém, com narrativa e diálogos de fácil compreensão. Eu não entendi direito a capa, pois está um tanto escura e sem definição de imagens, e apesar de ser capa dura (algo que curto pacas), não me agradou. Contudo, tenho que ressaltar o belíssimo trabalho feito na diagramação, pois para cada conto há uma maravilhosa ilustração que condiz com o contexto... Há também (no início do livro), uma maravilhosa ilustração com o mapa, ou seja, a árvore genealógica da família Montessales; as páginas são em pólen (com as folhas amarelas) e as fontes e espaçamentos estão de excelente tamanho. Ao final do livro, a Susy escreveu um conto que relata todo  conteúdo (desde a sua origem), antes mesmo de Antony, e que deu um gostinho de "quero mais". Por fim, para quem é apreciador do gênero terror, daquele que faz arrepiar os cabelos, essa é uma maravilhosa pedida. \o


Livro: Linhagem Montessales  Retratos da Inquisição
Autores: Susy Ramone, Andréia Pontes, Carolina Mancini
Claudio Parreira, Cristiano Rosa, Debora Gimenes, 
Georgette Silen, Gisele G. Garcia, Henrique Chantre
John Lennon Smith, Laura Elias, Roxane Norris
Vitor Hugo Brandini Ribeiro
Gênero: Literatura fantástica brasileira
Editora: Literata
Ano: 2013
Páginas: 162

[Quote]: Dezesseis — A Estrada da Morte

— Ana, apareça!  chamei em tom de voz brando.

 Você está louco, Johnny! Vá embora!  falou um tanto nervosa.

 Eu vou subir aí.  alertei-a sobre o que faria.

 Johnny, por tudo que é mais sagrado, vá embora.  clamou.

 Tem mais alguém com você em casa?  perguntei, ansiando por sua resposta.

 Não! Mas o meu pai pode chegar a qualquer instante.  alertou-me.

Sorri, alegre por saber que o seu pai não estava em casa. Agradeci a Deus pela oportunidade.

 Estou subindo, baby!

 Não faça isso Johnny, por favor!

Momentos depois, subi o muro que dava em direção ao seu quarto, ficando, instantes depois, pendurado em sua janela. Desequilibrei-me e caí no chão, dentro do seu quarto. Estava literalmente aos seus pés.

 Você pensa que está fazendo o quê, Johnny?  perguntou-me transtornada.

 Estou fazendo o que eu deveria ter feito há tempos.  colei meus lábios aos dela.

Nossos lábios se encontraram numa cobiça além do imaginável. Eu sentia o seu corpo ansiando pelo meu, e ambas as respirações estavam ofegantes. Naquele instante, precisávamos um do outro.

 Vá embora, Johnny! Você está surdo ou o quê?  afastou-se de mim.

 Eu não estou surdo e sei muito bem o que eu quero!  rebati, com ela em meus braços.

Ela me encarava com nítida confusão. Notei sua preocupação, e sabia que quaisquer palavras que saíssem de sua boca, não seriam sinceras. Fiquei tão confuso quanto ela. Acendi a luz do quarto que, até então, estava sendo iluminado apenas por um abajur em formato de coração.

 O que ele fez com você?  perguntei no mesmo instante que me deparei com uma mancha arroxeada em sua face.

Ela virou o rosto em outra direção, desvencilhando-se de mim, num silêncio alarmante, deixando-me ainda mais desordenado. Olhei de relance para os seus braços e percebi que neles havia mais algumas pequenas manchas.

 Johnny, por favor, vá embora! Eu imploro.  clamou, sussurrando.

 Aquele filho da puta do seu pai...  disse as palavras andando em círculos pelo quarto.

Eu sentia vontade de levá-la para longe. Contudo, sabia que teria sérios problemas se fizesse isso. Cheguei bem próximo dela e toquei com carinho as marcas que recebera tão cruelmente.

 Ana, olhe dentro dos meus olhos e diga que não me quer mais...  clamei.

Ela sequer olhou dentro dos meus olhos, o que me fez acreditar que estava mentindo.

 Ana, me conte como tudo aconteceu...  pedi num tom brando.

 Johnny, ele sempre me machuca, até mais com palavras do que com bofetões. Eu já lhe disse isto uma vez.  ressaltou entristecida.

Meu coração apertou ao vê-la tão vulnerável, à mercê daquele que, decerto, deveria lhe dar amor. Eu nunca tivera momentos como aqueles. Sempre fui castigado quando aprontava alguma peripécia na minha infância. No entanto, nunca fora castigado daquela forma.

 Deixe-me amá-la, Ana! Com o coração e a alma...  enlacei-a em meus braços  Eu quero protegê-la.  beijei com carinho sua cabeça.

E assim, por mais uma vez, aconteceu. Ana era minha razão de viver!


Inspirado na canção “Dezesseis” — da banda brasileira Legião Urbana — este é um enredo de amor recheado com muitas aventuras.

**A VENDA, CLICANDO AQUI.

27 de nov de 2015

[Falando em]: Poison Heart — de Susy Ramone

Há tempos eu queria ler este livro. Afinal, ele leva como título o nome de uma canção que eu gosto pacas, da banda Ramones. Tal que a moréca Susy Ramone, que também é fã da banda e criou um enredo mirabolante e fantástico em torno da canção, sugeriu uma troca de exemplares, o que aceitei de prontidão. \o P.S: Obrigada, Su! S2 Agora confira a sinopse, book trailer que eu tive o prazer em editar e resenha de Poison Heart, uma publicação da editora Tribo das Letras.


Sinopse: Uma narrativa Pulp, uma letra de música dos Ramones, três homens ligados a uma mulher por amor e ódio, sonhos coletivos, uma cigana misteriosa e um crime. Poison Heart conta a história de Horácio, um quarentão insatisfeito com o serviço, que se vê conectado a estranhos acontecimentos em seu ambiente de trabalho, inclusive, prevendo a morte da secretária, sua atual namorada, através de sonhos idênticos aos demais funcionários de sua empresa. Acontecimentos sobrenaturais, muitas dúvidas e um universo onírico construído para que o leitor perca o fôlego. Uma trama na qual todos são suspeitos e ninguém deixa de ter um coração envenenado.


P.S: Vídeo editado por Simone Pesci



"Porque um coração envenenado é capaz de tudo"


Misterioso! 
Horripilante!
Contagiante! 

Eu poderia adjetivá-lo de tantas outras formas, pois este tornou-se um dos melhores livros que li este ano, e já de antemão, digo: para você que é apreciador de um enredo do gênero terror, muito bem escrito e sem pontas soltas, daqueles que te prende do início ao fim, eis uma magnífica pedida.  De 1 a 10 dou NOTA 1.000. \o

O enredo gira em torno de Horácio, um homem de 40 anos, insatisfeito com sua vida profissional, que se vê perdido em sonhos confusos e reveladores, que se interligam de alguma forma com os sonhos dos amigos de serviço, ou seja, Silvia, Nilton e o seu  até então chefe  Odilon. Tal surpresa com os sonhos, ele também passa a se deparar com uma cigana que fica na sua cola, falando coisas desconexas e que, por fim, o deixa com a pulga atrás da orelha.
 Agora eu vou atrás de ti   ela falou em voz alta.   Em breve tu virás atrás de mim.  
Horácio descontinuou de repente e voltou-se para encarar a mulher. Não havia sentido algum fugir da maltrapilha, que mal ela poderia fazer? "O que quer?"   perguntou irritado enquanto ela parava à sua frente.

  Atuas como coadjuvante   ela disse espirrando baba na camisa dele. Fez menção de tocá-lo no rosto, mas ele recuou. A velha fechou a expressão por alguns instantes e em seguida voltou a sorrir como se tivesse perdoado a grosseria.   Quando aprenderes a dominar teus sonhos, eles se realizarão e descobrirás um mundo totalmente novo. (Livro: Poison Heart, de Susy Ramone)

Horácio se encontra em situações estranhas e inusitadas, sendo uma destas a ausência constante de sua mãe, que, até então, mora com ele. Além de tudo, se vê envolto em descobertas que o deixa estupefato. Ele resolve seguir um dos conselhos da cigana. Sendo assim, consegue o que tanto almejava, uma promoção com um novo cargo e com um salário maior. Agora ele tem a vida que sempre sonhou e também está se envolvendo com Silvia, sua amiga e parceira de trabalho. Desta forma, se esquece da mãe, da cigana e de todo o resto, até mesmo dos sonhos assustadores que tinha. De repente ele se depara com uma triste e apavorante constatação... Assim como os seus amigos, ele também têm suas falhas. E tal como uma penitência será julgado, mostrando o quão o seu coração está envenenado.
Ninguém é tão ruim a ponto de destruir tudo o que o cerca. E ninguém é tão bom a ponto de edificar o tempo todo. Se o mundo em que vivemos é bipolar em sua essência, natural haver em nós representações dos dois lados da moeda. Obviamente cada lado se manifesta com maior intensidade em um indivíduo. E é por causa do desiquilíbrio dessa balança, que cada pessoa, após ser enlaçada pelos braços da morte, encontra, em um mundo paralelo, os reflexos de suas atitudes em vida. Contudo, o que parece ser o fim, não passa de uma reciclagem. (Livro: Poison Heart, de Susy Ramone)
A partir daqui cesso os meus comentários, pois essa é uma trama que qualquer comentário descomedido pode tornar-se um spoiler. No entanto, não se engane caro leitor, pois há muito enredo atrás do pouco que apresentei na resenha. Aquele que se enveredar nessa história, se questionará por diversas vezes o que exatamente está acontecendo (?), devorando o livro e ansiando pelo desfecho final. Aliás, eu já adianto que surtei com o conteúdo do início ao fim  e agora, mais do que nunca, tornei-me fã da Susy e leria até mesmo a sua lista de compras. \o hahaha
 Sou Mnemosine  ela falou.  Bem-vindos à minha casa  correu a mão sensualmente pelo pescoço colocando as madeixas para trás. O olhar superior tornou-se de repente lascivo e ela sorriu,  passando a língua entre os lábios. 
 Nós, nós...  foi o que Horácio conseguiu dizer antes que a doce voz da mulher interpelasse.

 Sim, eu sei. Vocês querem respostas, não é mesmo?  deslizou as mãos pelos seios agora totalmente à amostra e apoiou uma das pernas em cima de uma poltrona velha deixando à vista as suas partes genitais.  Terão o que querem, mas não antes que eu os experimente ao meu modo. (Livro: Poison Heart, de Susy Ramone)

O enredo é narrado em terceira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão; não há capítulos, mas sim uma trama dividida em 6 partes, superenvolvente e excepcionalmente bem desenvolvida; sua capa estampa o que de fato o enredo carrega consigo, ou seja, um coração envenenado; a revisão está impecável e a diagramação é perfeita, artística. Por fim, para quem é apreciador do gênero terror, com uma trama SENSACIONAL, eis uma excelente pedida! \o


Livro: Poison Heart
Autora: Susy Ramone
Gênero: Literatura Fantástica 
Editora: Tribo das Letras
Ano: 2016
Páginas: 150

26 de nov de 2015

[Promoção de Natal]: Dezesseis — A Estrada da Morte

A página "Dezesseis - A Estrada da Morte" no facebook está fazendo uma super PROMO DE NATAL, com um kit do livro. Nele, o vencedor ganhará 1 exemplar com dedicatória + 10 marca páginas assinados + 1 Cd com a playlist. \o/\o/\o/ Está a fim de concorrer a este kit? Então vem junto! \o Basta seguir as regras abaixo:



Para concorrer você precisa:
• Curtir a fanpage do livro clicando AQUI
• Compartilhar o post original da página em modo público, colocando nos comentários ‪#‎PARTICIPANDO‬
• E, por fim, validar a sua participação clicando AQUI

Boa sorte a todos!

P.S: Caso o participante vencedor não estiver seguindo o regulamento, haverá um novo sorteio. O prazo de envio do Kit será de até 20 dias úteis a partir da data em que será realizado o sorteio. Bem-vindos à estrada da morte! \o/\o/\o/

25 de nov de 2015

[Falando em]: Risco Calculado — de Elaine Elesbão

Agora é a vez de apresentar Risco Calculado, mais uma trama nacional  diga-se de passagem  de perder o fôlego. Aliás, eu recebi este livro como parceria da autora e companheira de editora, a escritora Elaine Elesbão, e desde já agradeço pelo fantástico presente. P.S: Obrigada, Elaine! S2 Agora confira a sinopse, book trailer e resenha de "Risco Calculado", uma publicação da editora Tribo das Letras


Sinopse: Quando Valentina completou doze anos, seus pais a entregaram a um padrinho para que ela pudesse receber uma boa educação e desfrutasse de uma vida melhor. Os anos se passaram e Valentina se transformou em uma bela mulher. O seu padrinho, Hugo, sempre tão atencioso, tornou-se a sua grande paixão e em seus braços ela descobriu o prazer. A questão é que Hugo Rosenthal, que utiliza o sexo como forma de demonstrar força e superioridade, sente um amor doentio por Valentina e é capaz de qualquer coisa para não perder o domínio que tem sobre ela. Determinada a conquistar a sua independência e a trilhar o seu próprio caminho, Valentina elabora um arriscado plano e foge, mas sabe que o seu passado não a deixará em paz. Conhece muito bem Hugo e os métodos que ele utiliza para conseguir o que quer e teme que o pior aconteça. Enquanto Valentina luta para chegar ao seu propósito, conhece Max, um doce e gentil veterinário, e todas as suas certezas são abaladas. Se o sexo para ela já foi jogo, armadilha, dominação, o fundo do poço... Com ele é abrigo, aconchego, paz, plenitude, lar. Risco Calculado é uma história de amor, de vários tipos de amor, mas é também uma história de ódio. E quando esses dois sentimentos se confundem ou se confrontam tudo pode acontecer...




"Quando o amor e ódio se confundem ou se confrontam, tudo pode acontecer..."



Cruel! 
Apaixonante! 
Verossímil!

Eu poderia adjetivá-lo de várias formas. Porém, estes três itens são os que perduram em minha mente, afinal, nem todos contos de fadas têm o seu lado mágico  e essa história leva consigo um requinte de crueldade, envolto em sentimentos confusos, e, por fim, um verdadeiro e único amor. 

Risco Calculado conta a história de Valentina, hoje uma mulher. Contudo, aos 12 anos, foi arrancada de seus pais para viver com o seu tutor chamado, Hugo. Se vocês pensam que os pais da garota foram vítimas de todo acontecimento, pasmem, na verdade eles são uns pilantras, que venderam a filha, fazendo com que a garota acreditasse que só queriam o seu bem. No entanto, o único propósito disto tudo foi o dinheiro que receberam em troca.

Hugo é 20 anos mais velho que Valentina, um homem de status e poder, com gênio forte, possessivo e maldoso, que encontra no sexo dominador a forma de aproximação e de detenção. E mesmo sendo um bronco e louco das ideias, ainda assim é um homem atraente. Ele priva Valentina de tudo, e também a ludibria, envolvendo-a com seus galanteios, fazendo com que ela se apaixone por ele.
Essa proximidade toda teve um efeito estranho sobre mim. Não conseguia mais olhar para o Hugo sem deixar de achá-lo bonito e charmoso. (Livro: Risco Calculado, Pág.24)

O tutor já observava sua presa com outros olhos, desde quando a mesma tinha 8 anos, e quando tornou-se o responsável oficial da mesma, a privou de ter uma vida como qualquer ser humano deva ter por direito, ponderando-a em tudo, ditando regras, obrigando-a a estudar de tudo um pouco, comportando-se como ele acha que uma mulher deva se comportar, vestindo-se como ele determinava, ou seja, fazendo dela o seu troféu. Hugo a ludibriou ainda mais, tendo-a como sempre ansiou, despertando nela um sentimento que, por fim, ocasionou o casamento dos dois. Contudo, Valentina não fazia ideia do que a esperava. Até então achava que estava sendo protegida e amada, mas, na verdade, sua tortura estava apenas começando, vivendo ao lado de um homem possessivo e que a todo instante a humilhava, deixando-a à merce de situações inacreditáveis e ameaçando-a.
Não foi uma comemoração, foi uma demonstração de força. Eu não sabia o que acontecia direito comigo, porque nunca tinha sido capaz de reagir, de desobedecê-lo. Não era respeito, não mais. Era uma espécie de medo. (Livro: Risco Calculado, Pág.55)
Valentina se cansa! Ela bola um plano para sumir das garras deste ser maléfico e foge para outro estado, onde passa a conhecer o mundo de forma diferente, como ela nunca havia visto antes. Assim, passa a morar num lugar simples, bem diferente da mansão em que morava, ficando restrita ao glamour que até então conhecia. Porém, se encanta com sua liberdade e a possibilidade de uma nova vida. Neste meio tempo ela conhece Max, um lindo veterinário, amável e de bem com a vida, que acaba por se tornar o seu maior acalento. 
Somos sorrisos, feromônios, carinhos, delicadezas. Somos música, poesia, fotografia, obra de arte. Se o sexo pra mim já foi jogo, armadilha, dominação, o fundo do poço... Com ele é abrigo, aconchego, paz, plenitude, meu lar. Com ele é amor! (Livro: Risco Calculado, Pág.135)
Além dos personagens principais, temos também alguns secundários que são de suma importância, dando todo sentido à trama, sendo dois destes, dona Teresa (uma senhora, funcionária de longa data da casa de Hugo), e o nojento do Levi (quando vocês lerem vão saber o porquê dessa minha repulsa por ele  rs). 

Este é um enredo que mostra o lado feio do desejo, como também mostra o lado bonito do amor, com uma protagonista que encontra na sua fragilidade a força para seguir em frente, e que mesmo dando de cara com o mal, ainda assim encontra dentro de si algo bom, uma gana em querer e esperar o melhor. Agora cesso os meus comentários para não soltar spoilers

O enredo é narrado em primeira pessoa, sempre aos olhos de Valentina e intercalando-se entre passado e presente. Apenas no epílogo temos o futuro, que, por sinal, também é narrado por Valentina. Aliás, o grande desfecho da trama é revelado em detalhes no epílogo, e eu simplesmente surtei com ele, uma jogada perfeita da autora, deixando o conteúdo mais verdadeiro, mostrando ao leitor que às vezes o fim justifica os meios; sua capa é linda de viver, estampando uma Valentina como de fato imaginei em toda a leitura, pois bate bem com a descrição da personagem; a diagramação é simples e bonita, com fonte e espaçamentos na medida certa, adornada em papel pólen, com  folhas amarelas. Por fim, para quem é apreciador de um drama com um desfecho surpreendente, eis uma excelente pedida. \o


Livro: Risco Calculado
Autora: Elaine Elesbão
Gênero: Romance
Editora: Tribo das Letras
Ano: 2015
Páginas: 254

23 de nov de 2015

[Falando em]: Um Encontro Fatal — de Priscila Ferreira

E novamente trago a resenha de um nacional. Trata-se do texto de uma nova autora que de fato me surpreendeu. \o Eu recebi este livro como parceria da própria autora, e desde já agradeço pelo maravilhoso presente. P.S: Obrigada, Pri! S2 Agora confira a sinopse, book trailer e resenha de "Um Encontro Fatal", obra da autora Priscila Ferreira, uma publicação da editora Tribo das Letras


Sinopse: Se um desconhecido de repente te oferecer a chance de mudar de vida? Uma garota simples, em busca de uma vida melhor. Um desconhecido pode lhe proporcionar esse sonho? Acionados no meio da noite para registrar mais um caso de homicídio, tão corriqueiro na grande metrópole, Sophia Martins e sua equipe trabalham para coletar todas as informações disponíveis na cena do crime. As peças do quebra-cabeça simplesmente não se encaixam e aguçam a curiosidade da destemida investigadora. Os caminhos a levam num complexo esquema que envolve pessoas poderosas e até então inatingíveis. Ao penetrar nesse contexto ela descobre que suas ações terão consequências devastadoras e não importa o quanto trabalhe, ela não conseguirá proteger todos. No seu primeiro caso como investigadora principal, Sophia mergulhará em uma aventura de tirar o fôlego. E as consequências deixarão marcas para vida toda.



"Ela não poderia imaginar, nem nos seus piores pesadelos, o que enfrentaria."









Sophia é a mais nova investigadora de um departamento policial. Independente, divide o apartamento com sua amiga e parceira de trabalho, Clarissa, ou Claire como é conhecida pelos mais chegados, uma mulher sensual e um tanto louquinha, que faz parte do mesmo departamento investigativo, trabalhando ao lado de Sophia e de tantos outros parceiros, sendo alguns destes: Laura, amiga de longa data e promotora de justiça, Will, o eficiente e marrento apaixonado por Claire e Erick, um novo parceiro investigativo que deixa todos com a pulga atrás da orelha.
O telão de 60 polegadas na nossa frente mostra uma linda garota, com um brilho nos olhos de quem acredita num futuro melhor, promissor. Alguém apagou esse brilho, retirou dela o direito de encontrar o pote de ouro no fim do arco-íris. (Livro: Um Encontro Fatal, Pág.25)
A trama se inicia com Sophia em seu primeiro caso, um assassinato de uma garota em que muitos pontos se interligam a um fotógrafo conhecido chamado Lorenzo Viegas, e também com um deputado tão conhecido quanto o fotógrafo,  e por tantas outras pessoas de status e má índole, fazendo com que ela e seus parceiros corram grandes riscos, envolvendo-os de forma que todos possam sair feridos ou até mesmo mortos.

Em meio ao turbilhão de adrenalina, Sophia envolve-se com Fernando, um lindo e sedutor médico que conheceu em um bar e que, ao envolver-se com ela, passa a correr tanto risco quanto. Porém, no primeiro contratempo em que se encontra, quando Sophia sofre um atentado, ele desespera-se e resolve terminar o relacionamento.
 Não consigo. Não posso conviver com a possibilidade de que a minha próxima paciente grave seja você, ferida em trabalho. Sou covarde demais pra isso. — As lágrimas escorrem sem nenhum pudor, minha visão está embaçada, meu peito está pressionado e não é por conta da costela quebrada. (Livro: Um Encontro Fatal, Pág.157)
SIM, eu entendi os motivos do Fernando! Aliás, mais adiante o leitor saberá por que ele abdicou em viver o seu amor? Houve um capítulo que me fez perder o fôlego por diversas vezes, sendo este o capítulo 31.
Pela segunda vez, em poucos dias, agradeço a Deus pela paranoia da Clarissa. Certa vez ela disse que nossa casa era um campo minado, semelhante ao jogo, que na essência, ganhava quem não acertasse as minas. O nosso era o oposto e eu ganharia prêmios para cada acerto, nossas minas eram, na verdade, armas. Dezenas. Sim, eu fiquei assustada com a personalidade sociopata da Claire, mas entrei no jogo. Encontrei exatamente doze, assustador ter tantas armas espalhadas pela casa. Mas nesse momento, não penso o mesmo. Quando meus dedos tocam com dificuldade a arma que está presa por um gancho por baixo da mesinha, uma pontada de esperança cutuca meu coração. Essa mina eu não havia encontrado naquela ocasião, mas se há um momento mais oportuno para encontrá-la do que agora, eu não sei qual é. (Livro: Um Encontro Fatal, Pág.266)
Além do casal Sophia e Fernando, o leitor se deliciará com outro casal. Aliás, este casal passou a ser o meu predileto, ou seja, Clarissa e Will, também parceiros de trabalho e com gênios totalmente opostos. Ele, superprofissional, sério e ciumento. Ela, além de linda e profissional, é uma mulher independente que leva a vida de forma nada sucinta. Os diálogos entre os dois são os melhores, envolto em desejo e provocações, mostrando que há uma forte e devastadora atração. Fiquei feliz ao saber que teremos o livro 2 e que este terá como protagonistas Claire & Will. S2 Agora cesso os meus comentários para não soltar spoilers.

O enredo é narrado em primeira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão. Fiquei surpresa com todo conteúdo, pois encontramos nele uma narrativa detalhista na medida certa, sem ser insossa, dando verossimilhança ao conteúdo. Por este motivo chamei a autora na mensagem privada do facebook e perguntei se ela tinha alguma experiência à parte, pois parece conhecedora de causa, e a mesma me disse que o seu gênero literário predileto é o policial/investigativo e que também é fã de seriados deste gênero. Sendo assim, constatei como ela conduziu todo o conteúdo com maestria, de forma instigante e sem pontas soltas. A capa é bem bonita, estampando parte do rosto de uma Sophia agindo da forma que mais aparece no enredo; sua diagramação está com fonte e espaçamentos bons, impressa em papel pólen, ou seja, em páginas amarelas; Por fim, para quem é apreciador do gênero, eis uma magnífica pedida. Seu eu gostei? NÃO! Eu NÃO gostei, eu AMEI! E leria até mesmo a lista de compras da Pri. \o


Livro: Um Encontro Fatal
Autora: Priscila Ferreira
Gênero: Policial /Romance
Editora: Tribo das Letras
Ano: 2015
Páginas: 328

20 de nov de 2015

[Quote]: Entre o Céu e o Inferno — Max

Tive uma vida pacata no interior de São Paulo, ao lado de minha mãe, e sempre com uma nova namorada. Aliás, eu tentei de todas as formas, entregar meu coração para outra mulher, mas não consegui. Era sempre estranho, pois parecia que me faltava algo. Nenhuma delas me completava. As garotas que eu conhecia, ainda naquela pacata cidade do interior, eram fúteis, sem conteúdo e também sem uma boa razão para serem protegidas. Com nenhuma delas, funcionava como comigo e Alex, que tínhamos nossos sofrimentos à parte e que nos entendíamos apenas pelo olhar. Eu sempre pensava, depois de um bom sexo, em como elas conseguiam pensar somente em futilidades sem sentido... Em algumas vezes, eu as deixava falando sozinhas e seguia para casa, pois definitivamente tudo aquilo era lastimável. Só um verdadeiro coração que sangra, sabe a grandeza que é estar ao lado de quem ama, vivendo uma vida normal, sem futilidades.

Minha linda... 
Perdoe-me por não ter sido capaz de suportar...




O meu coração, apesar de não parecer, ainda sangrava e muito. Sangrava por não ter notícias de Alex... Sangrava por pensar que ela poderia estar se metendo em alguma encrenca... Sangrava por saber que não fui forte o suficiente para arrastá-la junto comigo rumo àquela clínica de reabilitação e a uma nova vida, mesmo que fosse contra sua vontade. Alex e eu pensávamos da mesma maneira, sobre muitos pontos de vista, entre eles, sobre o privilégio de ter o poder de escolha. Eu não poderia obrigá-la a fazer o que ela não queria, pois sabia que ela jamais me perdoaria.
Ela continuava desacordada, em sono profundo e eu não conseguia tirar os olhos de sua linda face. Acariciava seu rosto com ternura e chegando ainda mais perto, podia sentir aquele cheiro que tanto me entorpecia. Como era bom senti-la tão perto... Por tantas noites sonhei com aquilo. E aproximando-me ainda mais e com os olhos fechados disse:

 Amo você!

**A VENDA EM FORMATO EBOOK, CLICANDO AQUI.

[Quote]: Dezesseis — A Estrada da Morte

Assim que estacionei o meu Trovão na calçada da lanchonete, notei uma pequena multidão, ao redor de um também Opala metálico, porém, na cor preta, idêntico ao meu. Todos me encaravam, deixando-me ainda mais confuso. De repente, Janjão saiu do meio de uma roda de pessoas e ficou ao meu lado.

 Brow, você foi desafiado.  disse, vibrando.

Por um instante não dei importância às suas palavras. Foi quando me deparei com Ana Cláudia ao lado de Samy, num canto próximo a mim. Ela tentou me ignorar, desviando o seu olhar para outra direção. O marombado, por sua vez, me encarava com fúria. Foi quando, em questão de segundos, ficamos frente a frente, numa disputa acirrada de olhares. O silêncio se fez presente. Todos queriam escutar o que tínhamos a dizer:

 Eu te desafio para uma queda de braço, seu pé na tábua!  falou Samuel em alto e bom som, com o seu dedo indicador apontado bem próximo ao meu nariz.

 Pois bem, marombado... Eu te desafio num racha!  rebati, provocando-o, mostrando o meu dedo médio.

 Vocês dois são ridículos!  disse o anjo, com preocupação.

Continuamos nos encarando com ódio, e, segundos depois, o marombado perguntou:

 E qual seria o prêmio?

Desta forma, chutei bem alto na aposta. De fato, se tivéssemos uma queda de braço, eu perderia, pois Samuel treinava por horas, ingerindo anabolizantes, no intuito de se vangloriar em público. Por fim, ele era músculos e eu agilidade... Eu desconfiava da minha derrota em uma queda de braço. No entanto, tinha certeza da minha vitória em um racha.

 Se eu ganhar, levo a Ana pra casa!  provoquei-o, dando um sorriso de canto.

Ele encarou-me com brasas nos olhos, prendendo a respiração e tentando se conter. Segundos depois, em contrapartida, anunciou:

 Então vamos lá, pé na tábua... Se eu vencer, levo o seu Opala!  também sorriu de canto ao apostar a minha preciosidade.

Engoli seco minha paúra. Eu não me negaria o prazer de vê-lo perder uma disputa. Eu era o rei dos pegas e ninguém me venceria, nem mesmo ele. Contudo, havia algo que estava me incomodando... Sua ousadia ao colocar minha preciosidade em jogo  o Opala azul metálico  fazia com que o meu modo "adrenálico compulsivo objetivo" viesse à tona . Foi quando me dei conta de que estava sendo tão sem noção quanto ele, apostando a companhia daquela que tanto queríamos ao nosso lado.

Inspirado na canção “Dezesseis”  da banda brasileira Legião Urbana  este é um enredo de amor recheado com muitas aventuras.

**A VENDA EM FORMATO FÍSICO, CLICANDO AQUI.

[Poesia]: Evolução da Pele Negra


Muitos querem ser negro
Mas ser negro não é opção
Ser negro é sentir na pele
O chicote da discrimação

A pele do negro, é um manto sagrado
Onde se lê, sua negra história
Apesar de trezentos anos de agravo
Essa pele nunca perdeu sua glória

Pelo negro não há quem apele
Quem irá reparar sua dor?
A pátria que ao negro repele
É feita da pele, que por ela um dia sangrou

(by - Luiz de Jesus)

20/11 - DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

[Texto]: Achados e Perdidos

Escrevi dezenas de cartas de amor, talvez mais de cem, se contarmos cartões, bilhetes ou mensagens espalhadas pela casa em bolsas, gavetas, armários, ou mesmo o batido “eu te amo” no espelho do banheiro.

Recebi muito menos do que desejava. Houve um tempo em que achei que não era justo um saldo tão desigual. Mas no final entendi que as coisas não funcionam assim e que não é possível forçar nada. Foram poucas, muito poucas, e menos ainda de quem eu mais queria.

Fiz outras tantas dezenas de declarações de amor. Não me refiro ao insosso “eu te amo” com beijo na testa do dia-a-dia, mas àquelas que começam lentas, com a pessoa olhando para as mãos indóceis até se deflagrar uma espécie de temporal de verão, com lágrimas em profusão, ou então secas nos olhos e molhadas nos beijos que se seguiam. Mas de novo escutei menos declarações do que gostaria. OK, já entendi que o problema está comigo.

O engraçado é que apesar de estar aqui reclamando, a verdade é que não guardei as declarações que recebi. Lembro-me de cada uma, mas joguei tudo fora. Acredito que as mulheres são mais fiéis às suas lembranças e seus segredos.

Quando precisei embalar minhas coisas para fazer minha mudança para o Rio, encontrei por acaso uma “sobrevivente”. A pressa de fazer a arrumação jogava contra o medo de sentir saudade de um tempo que não sei qual foi. Uma curiosidade até certo ponto mórbida provocava a minha cabeça. Guardei-a para ler depois. Não resisti mais do que dez minutos.

Letra bonita, escrita calma, palavras nem sempre doces e apaixonadas. Era uma carta de amor e de rompimento. Apesar da falta de assinatura, identifiquei sua autora. Na verdade, não tinha assinatura por falta de espaço, mas vi a inicial do primeiro nome.

O misto de sentimentos ao reler a carta foi perturbador. Vontade de falar com ela, de esclarecer as dúvidas. Não queria fazer um pedido de desculpas nem uma tentativa de reatar algo tão antigo. Queria mesmo dizer que nunca senti dúvidas sobre o meu amor, mas que fui incompetente para demonstrar. Seria preciso uma daquelas conversas em que só um fala e vai embora, uma espécie de monólogo para apenas um espectador.

De certo modo, compreendi porque nunca tinha guardado nenhuma carta. A maioria continha indagações, medos e incertezas. Será que fui tão mal companheiro, namorado, marido, ou amante?

As minhas declarações eram, são e serão sempre claríssimas em relação aos meus sentimentos. Estaria aí o erro?

Meu amor esquece a realidade, o dia-a-dia, quando me declaro de forma direta e franca. Falo só o que sinto. Amar é difícil como já escrevi antes. Comunicá-lo então nem se fala. Parece que beira o impossível para mim!

No final das contas, acho que elas sempre tiveram razão!

Também joguei fora a tal carta, assim como me desfiz de todos os amores.

Via: Blog Tudo Sobre Tudo

[Falando em]: Os Filhos de Ítaca — de Angie Stanley

É com imensa alegria que trago essa resenha. Afinal, trata-se do texto de uma autora que sou apaixonada e fã. \o Estou falando da diva autora e amiga, Angie Stanley.

Este é o sexto livro de sua autoria que leio, e pela sexta vez me entorpeci com o enredo, coisa que só quem já leu algum livro da Angie consegue entender. E mesmo amando tudo o que ela escreve, "Os Filhos de Ítacatornou-se o meu segundo queridinho, claro que antes vem "Uma Segunda Chance". Agora confiram a sinopse, book trailer que eu tive o prazer em editar e a resenha do livro. Bem-vindos à Ítaca, uma cidade mais que mágica! \o/\o/\o/


Sinopse: A visão de um futuro distante revelada por um anjo escultural, incrivelmente sexy (que é a cara da Beyoncé) a uma mãe angustiada, faz uma estrela do rock em ascensão, mas com terríveis problemas com drogas, largar sua turnê mundial e ir parar numa cidadezinha litorânea chamada Ítaca, para tentar se livrar do vício e reabilitar-se. O que Tyler Ritter, nossa estrela Selvagem, não esperava encontrar neste lugar perdido e muito estranho, tinha um nome  Moira Jones  simplesmente, o amor da sua vida. O mistério que envolve Ítaca será uma pulga pulando carnaval atrás das orelhas do garoto marrento  e na sua também  enquanto ele se envolve cada vez mais com a belíssima garota de profundos segredos e olhos de infinito azul. Completando o cenário, ainda temos os melhores amigos do casal principal: Nick Stern (amigo de Tyler) e Dee Dee (amiga de Moira), que, felizmente, também acabarão por envolver-se e terem sua própria cota de drama, romance e superação. Juntos, os amigos lutarão por aqueles que amam. Tudo isso em meio às descobertas e prazeres da própria adolescência em efervescência. Mayve, a vilã, virá com tudo e, com toda certeza, vencerá! Será? O mundo de Ítaca se revelará traiçoeiro por muitos motivos e razões, mas eu garanto: todos surpreendentes!

P.S: Vídeo editado por Simone Pesci

"Porque viver é mágico"



Ítaca é nada mais que uma cidade litorânea, onde é narrada toda a história de alguns adolescentes, uns  até então  normais, e outros  vamos dizer assim  jovens normais e sobrenaturais. SIM! A história é com um conteúdo contemporâneo e sobrenatural. Nela, o leitor vai se deparar com os filhos(as) dos personagens dos livros anteriores da autora e também com novos personagens. Aliás, alguns dos personagens dos outros livros são mencionados e até mesmo aparecem na trama. S2 Porém, essa é uma leitura que não há necessidade de ser lida em segmento, pois apesar da interligação com o conteúdo já publicado, trata-se de um enredo único. É claro que se o leitor já tiver lido os outros livros, terá maior compreensão de tudo que acontece. Eu, particularmente, além de viver as emoções dessa leitura, pude relembrar-me de personagens 'mais que amados' que eu já conhecia, uma surpresa agradabilíssima e sem igual.

Uma profecia trágica revelado por um anjo!
Dois jovens astros do Rock em ascensão! 
Uma cidade litorânea chamada Ítaca!
Uma verdadeira princesa de armadura reluzente!
 Tá brincando comigo, né, mãe?  perguntou ele descendo do carro, e, retirando os óculos escuros, olhou para cima:  É isso? É aqui que você quer que eu passe um ano inteirinho? (Livro: Os Filhos de Ítaca, Pág.29)
Iniciamos a leitura com Tyler, o RockStar arrogante e presunçoso em ascensão, e também com Nick, o RockStar compreensível, bom filho e romântico. Porém, ambos estão seguindo suas vidas de forma errônea, ludibriando-se com uma vida que julgam a mais divertida, regadas em sexo, drogas e Rock 'n' Roll. É quando numa atitude desesperada (e também já anunciada), as mães de ambos resolvem dar um ultimato, ou seja, ordenam que Tyler e Nick fiquem por um tempo em Ítaca, uma cidade litorânea de pouco movimento e sem muita diversão. Eles ainda não atingiram a maioridade, algo que acontecerá daqui 1 ano, e por isso ou acatam as ordens de suas mães, ou serão restritos do que tanto gostam: o meio musical.
 Eu seria capaz de compor centenas de canções pra você se deixasse eu me aproximar de você  gritou ele segurando firmemente seu braço.  Moira... por favor... me diga o que fazer... eu não consigo ler a sua mente...  repetiu ele a letra daquela canção que eles gravaram juntos. (Livro: Os Filhos de Ítaca, Pág.250)
O que Tyler e Nick não contavam é que nesse lugar eles encontrariam suas almas gêmeas, aquelas que o tirariam desta vida ludibriosa e que fariam grandes amizades que levariam para o resto de suas vidas (ou existência). rs 

Moira é uma adolescente de muitos atributos, especialmente os sobrenaturais, algo que a impede de viver um grande amor ao lado de Tyler. Dee dee, sua melhor amiga, vivencia o mesmo com Nicky, melhor amigo e parceiro de banda de Tyler. Elas (assim como outros personagens) estão predestinadas à enfrentar uma grande batalha, com um ser celestial de extremo poder e maldade, chamado Mayve. No meio de toda essa confusão, Tyler e Nick ficam perdidos, descobrindo o amor e livrando-se das drogas e todo o resto que lhes faziam mal. 
Todos ainda estavam estáticos em seus lugares quando o teto do Grande Templo começou a rachar, vindo ao chão por completo. Pedaços da grande arquitetura antiga caíram, fazendo os visitantes se protegerem.  Pelo buraco enorme do teto todos puderam ver a lua bem no centro do céu, iluminando as inscrições no chão do Templo. Uma forte luz azulada encheu o ambiente, cegando a todos, exatamente como o raio que anunciara a chegada de Mayve. Eles cobriram os olhos com as mãos e esperaram. (Livro: Os Filhos de Ítaca, Pág.468)
Uma guerra entre sentimentos e anseios se inicia, deixando todos de frente aquela que eles julgam como invencível. A partir daqui restrinjo os meus comentários para não soltar spoilers

Dizer sobre os livros da Angie para euzinha é superprazeroso, pois eu realmente sou fã de carteirinha e leio até mesmo a sua lista de compras. \o Em "Os Filhos de Ítaca" o leitor se envolverá num enredo cativante do início ao fim, e mesmo com suas 553 páginas, garanto-lhes: em momento algum eu caí no tédio, pois além e uma trama bem amarrada é divertidíssima, característica da autora em seus textos. Lembrando que essa é uma publicação independente e está divinamente editada, com uma capa estampando a linda protagonista, Moira, como sempre imaginei; sua diagramação está tão linda quando a capa, sendo essa uma diagramação artística, com imagens ao fundo no início de cada capítulo. 

O enredo é narrado em terceira pessoa, com diálogos e narrativa de fácil compreensão, apresentando uma trama romântica e sobrenatural de perder o fôlego. Por fim, para você que é apreciador de um entorpecente e magnífico enredo, eis essa MARAVILHOSA pedida. De 1 a 10 eu dou nota 1.000! \o/\o/\o/ Venha você também para o mundo de Ítaca! 


Livro: Os Filhos de Ítaca
Autora: Angie Stanley
Gênero: Literatura brasileira/Romance
Publicação: Independente
Ano: 2014
Páginas: 553

13 de nov de 2015

Sobre tragédias...

Duas tragédias causadas pelo homem. Uma pela ganância, outra pela ignorância. Uma aqui e outra lá. Ninguém é obrigado, como estão dizendo por ai, a escolher uma pra orar, escolher uma pra ajudar. Ajude os que estão aqui, reze pelos que estão lá. Ignorar não ajuda aqui e não ajuda lá. E que Deus ajude os que estão sofrendo, e os de bem que ainda resistem por aqui.


Via facebook: Life on a Draw! Desenhos