29 de fev de 2016

[Falando em]: O Príncipe dos Canalhas — de Loretta Chase

Há tempos eu ansiava ler essa obra. E, posso dizer, eu me enveredei num texto divinamente escrito, de encher os olhos e que me fez rir horrores. Aliás, eu comprei este livro online, num preço super em conta e iniciei a leitura no mesmo dia que chegou  e sendo o enredo tão encantador e entorpecente, finalizei a leitura em apenas dois dias. S2 Agora confira a sinopse e resenha de "O Príncipe dos Canalhas", obra de Loretta Chase, uma publicação da editora Arqueiro.


Sinopse: Sebastian Ballister é o grande e perigoso marquês de Dain, conhecido como lorde Belzebu: um homem com quem nenhuma dama respeitável deseja qualquer tipo de compromisso. Rejeitado pelo pai e humilhado pelos colegas de escola, ele nunca fez sucesso com as mulheres. E, a bem da verdade, está determinado a continuar desfrutando de sua vida depravada e pecadora, livre dos olhares traiçoeiros da conservadora sociedade parisiense. Até que um dia ele conhece Jessica Trent... Acostumado à repulsa das pessoas, Dain fica confuso ao deparar com aquela mulher tão independente e segura de si. Recém-chegada a Paris, sua única intenção é resgatar o irmão Bertie da má influência do arrogante lorde Belzebu. Liberal para sua época, Jessica não se deixa abater por escândalos e pelos tabus impostos pela sociedade  muito menos pela ameaça do diabo em pessoa. O que nenhum dos dois poderia imaginar é que esse encontro seria capaz de despertar em Dain sentimentos há muito esquecidos. Tampouco que a inteligência e a virilidade dele pudessem desviar Jessica de seu caminho. Agora, com ambas as reputações na boca dos fofoqueiros e nas mãos dos apostadores, os dois começam um jogo de gato e rato recheado de intrigas, equívocos, armadilhas, paixões e desejos ardentes.


"Porque até o pior dos canalhas pode tornar-se encantador..."





Envolvente! 
Divertido! 
Sensacional!


Sebastian Ballister, mais conhecido como Lord Dain ou Belzebu, é um homem rude e que não leva as mulheres a sério, pois desde a infância passou por um mal bocado. Aos 8 anos foi largado pela mãe e deixado aos cuidados do pai, que, por sua vez, nunca gostou do filho e o destratava a todo instante, não dando a devida atenção e também castigando-o. Ele é uma criança aparentemente muito feia, o que todos ressaltam com veemência, passando assim pelas piores situações na adolescência e juventude, principalmente na instituição em que foi largado pelo pai.

Não apenas agia como um monstro  embora nunca o fizesse de maneira tão crassa diante das autoridades que podiam expulsá-lo da instituição , como também se tornara um, fisicamente: já tinha bem mais de 1,80m de altura, e cada centímetro seu exalava uma brutalidade sombria. 
Passou a maior parte do tempo em Eton certificando-se de que seria lembrado como um monstro. Orgulhava-se de pessoas decentes terem-no apelidado de "o flagelo e a perdição dos Ballisters". (Livro: O Príncipe dos Canalhas, Pág.15)

Quando completou 25 anos, retornou para casa, pois o pai havia falecido. No entanto, se deparou com uma pedra em seu caminho. O pai já havia falido com a herança e o deixou às ruínas, e apesar de não ser provido de beleza externa (e também interna), era provido de inteligência, o que conseguiu reverter toda a conturbante e caótica situação financeira, tornando-se um homem rico, de respeito e temido por todos.

Agora, aos 33 anos, é um homem que sente repulsa por mulheres e as enxerga apenas como objeto sexual, achando que todas são fadadas a burrice e, principalmente, mulheres da vida, o que sempre o fez pagar exorbitantes quantias em dinheiro para ter prazeres sexuais e também para sua diversão com bebidas, ostentando sua excelente condição financeira e desdenhando todos que o acompanhava. Ao seu lado segue Sir. Bertram (ou Bertie), um admirador de pouca inteligência e influenciado pelos encantos da boa vida, pois é um homem de poucos atributos financeiros. E é neste momento que entra Jéssica, que é nada mais que a irmã de Bertie. Ela vai ao encontro do irmão, na tentativa de salvá-lo, pois ele está gastando o pouco que tem, colocando em jogo até mesmo o dinheiro que ela juntou com tanto esforço para conseguir montar sua loja.
Por um momento desconcertante, lorde Dain teve a impressão de que alguém havia acabado de enfiar sua cabeça na latrina. Seu coração começou a bater mais forte e sua pele ficou arrepiada, levemente suada, como ocorrera naquele dia inesquecível em Eton, 25 anos antes.
Ele disse a si mesmo que seu café da manhã não devia ter lhe feito bem. Talvez a manteiga estivesse rançosa.


Era impensável que aquela desprezível réplica feminina o tivesse afetado. Não havia a menor possibilidade de ele se sentir desconcertado por essa mulher de língua afiada que devia ser, como presumiu inicialmente, uma vagabunda desmazelada com quem Bertie estivera na noite anterior. (Livro: O Príncipe dos Canalhas, Pág.24)


Com seu jeito grosseiro e machista, Dain acredita que Jess é uma mulher da vida. Porém, instantes depois, é apresentado a ela pelo irmão, Bertie, aquele que ele sente repulsa e o segue sempre, gastando o que tem e o que não tem. O Belzebu Dain descobre que Jess foi ao encontro do irmão para salvá-lo, pois teme por ele, gastando todo seu dinheiro, devendo à todos e ficando ao léu, correndo até mesmo risco de vida. Ela tem uma língua afiadíssima, além de culta e muito inteligente, e já dispensou diversos pretendentes para um promissor casório, pois acha que nenhum está a sua altura. Contudo, logo de cara, se encanta por aquele que ela deveria estar sentindo repulsa, e de certa forma, se afastar. E o interesse vem de forma intensa por ambos os lados, colocando frente a frente duas pessoas geniosas, em situações hilárias e divertidas e preocupante. Desta forma, o jogo vira, deixando-os ainda mais ligados, fazendo com que se casem, seguindo os dias em uma luta diária entre a "Bela e a Fera".
 Ah, não faça isso  sussurrou ela.
Dain se aproximou, ainda falando aquela língua que parecia hipnotizá-la.


 Você não devia usar esse charme masculino  disse ela, com a voz sufocada. E tocou a manga da camisa dele.  O que eu fiz de tão imperdoável? 


Você me fez desejá-la, disse ele na língua de sua mãe. Você fez com que eu me sentisse solitário, apaixonado. Você me fez desejar o que eu jurei que nunca precisaria, que nuca procuraria. (Livro: O Príncipe dos Canalhas, Pág.92)



Agora cesso os meus comentários para não soltar spoilers.


Eu nem sei como falar sobre este livro, pois ele me levou muito além. Afinal, pelo tumulto que vi por todos os cantos, pensei que fosse me deparar com um enredo onde o sexual fosse a base da trama, o que de fato acontece. Porém, de uma forma sutil e linda. E falando em lindezas, em uma das orelhas do livro, há uma referência de um dos críticos dizendo que "A Bela e a Fera não poderiam ter sido mais bem representados".  E isso faz todo o sentido. S2

Eu me apaixonei por Dain & Jess, dois personagens de personalidades fortes, o que de fato foi o diferencial, pois estou acostumada a ler aquele protagonista masculino lindo e de personalidade dominadora, que sempre tem a mocinha linda e insossa ao lado. E, nesta trama, o protagonista é muito feio aos olhos de todos. Contudo, aos olhos de Jessica, é o homem mais charmoso e másculo do mundo.

Onde há desentendimentos há de se ter envolvimento.

Com um contexto mais que envolvente, onde tanto a narrativa quanto os diálogos me teletransportaram para dentro da trama, e por muitas vezes queria estar na pele da Jess, porque vou dizer, apesar do Belzebu chegar a ser assustador com seus pensamentos, linguajares e atitudes, ele é muito (mas muito mesmo) atraente. Sabe aquele ditado: "é dos canalhas que elas gostam mais". Pois bem, é mais ou menos isso. hahaha

A trama é muito bem amarrada, com cenas quentes e de encher os olhos e a libido, com uma um linguajar bonito de se enveredar. As discussões entre o casal são superdivertidas, com diálogos bem elaborados  e, em uma parte da história, acontece algo que dá uma nova perspectiva para a trama, principalmente para a vida de Dain, onde ele pode encontrar sua verdadeira redenção. O final é o que eu já esperava, e mesmo assim fiquei muito satisfeita. Vocês querem saber se eu gostei? NÃO! Eu AMEI! S2 ... E leria até mesmo a lista de compras da Loretta Chase. \o

O enredo é narrado em terceira pessoa, com narrativa e diálogos de fácil compreensão. No entanto, em alguns trechos, estão de forma mais rebuscada; a diagramação é simples e singela, com letras e espaçamentos na medida certa, adornados em papel pólen (o amarelinho); a revisão está impecável e a capa foi uma das coisas que mais me chamou atenção, pois é linda de viver, estampando Dain e Jess fazendo um de seus passeios. Por fim, para você que curte um enredo de época, divinamente escrito e superenvolvente, eis essa MAGNÍFICA pedida. P.S: Agora vou ficar aqui, em frangalhos, querendo ler todos os livros da Loretta. S2


Livro: O Príncipe dos Canalhas
Autora: Loretta Chase
Gênero: Ficção/Americana
Editora: Arqueiro
Ano: 2015 
Páginas: 288

2 comentários

  1. Siiii

    Como sempre sua resenha é magnifica, até me fez ter vontade de ler. Mas mesmo assim ainda tenho um pouco de pé atrás kkkkk.
    Sei lá ao mesmo tempo que parece bom, parece muitoooo clichê. De qlq forma agora ele não entra na lista. Nem fiz minha compra de níver acredita???? Eu não kkk, ganhei dindin de niver, mas não to com tempo de sentar e pesquisar os livros, não acredito nisso. Se fosse antes teria comprado no mesmo momento.
    Vou ver se faço isso hoje. Mas esse ai não vai ser comprado agora rs.
    Fora que estou meio traumatizada com personagens machistas, eles cansam demais minha beleza kkk

    Bjsss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fer,

      Vai por mim, vença esse seu medo e preconceito. hahaha
      Tenho por mim que você vai curtir e muito. hahaha

      Beijossssss

      Excluir