28 de fev de 2016

[Falando em]: Pequenos Escritos, Sinistras Histórias — Editora Illuminare

Eu ganhei essa coletânea de uma pessoa 'mais que especial', ou seja, um amigo querido e sem igual, chamado Rick Spitaleti. Afinal de contas, ele participa deste projeto com dois contos. \o/ P.S: Obrigada, Rick! S2

Bom, eu não sou tão fã de coletâneas de contos, pois não me sinto tão íntima dos personagens/enredo  e por sinal, minhas últimas experiências com coletâneas não foram tão agradáveis. Contudo, há de se ter esperança. Sendo assim, afirmo: desta vez, curti. \o Agora confiram a sinopse de "Pequenos Escritos, Sinistras Histórias", uma publicação de editora Illuminare.


Sinopse: Uma coletânea de contos sinistros, sobrenaturais, onde o suspense e o inacreditável andam de mãos dadas. Personagens com uma dose de sinistro em inesquecíveis histórias que não te deixarão dormir. Melhores contos e minicontos do I CONCURSO INTERNACIONAL DE CONTOS E MINICONTOS

"Porque o sinistro pode ser verdadeiro... ou não"






Eis uma coletânea que curti. \o Nela há diversos contos (e minicontos) em que sua temática é marcada pelo sinistro, alguns enveredados pelo sobrenatural, outros pelo mistério, e há também aqueles que são adornados por suspense e drama.

Os contos foram enquadrados perfeitamente no que foi proposto, o que pra mim foi um alívio, pois tempos atrás tive péssimas experiências com algumas coletâneas que li, fugindo até mesmo do propósito real. Este foi o grande diferencial de ter apreciado essa leitura, pois alguns contos achei bem envolventes e escritos  e, claro, me teletransportaram para dentro das páginas. Aliás, eu li o livro em poucas horas, pois ele é breve e de conteúdo fruível. E por tratar-se de contos, não tem como fazer uma resenha específica, pois cada conto é uma nova história. Agora deixarei três trechos dos contos que eu mais curti. \o Sendo um destes do meu amigo Rick Spitaleti.
Eu, parada no meio, curtia a plena sensação da liberdade dentro de cada nota que vinha do palco, da voz gritante que me mandava esquecer de tudo, me desprender. Os braços pendiam no alto da cabeça, soltos, sem um aparente fim, mas congelaram com o que meus olhos viram. "Ele" — pensei. "Com outra?".   indaguei em silêncio. Seus olhos se mantinham frente a frente, seus lábios pronunciando palavras inaudíveis e os corpos em perfeita sincronia, prontos para se atracar, ou pior. Os lábios se aproximaram à medida  que as minhas lágrimas desciam das glândulas lacrimais até os olhos, enchendo-os de ódio e dor. (Pequenos Escritos, Sinistras Histórias  por Aryane Teixeira)
 Ektor ainda não chegara a esse ponto, porém era um  número dentre tantos covardes que se escondiam em realidades adversas, onde eles "tinham controle" da situação, mesmo que por alguns momentos. E o mundo paralelo criado por ele, como uma válvula de escape para a realidade cruel, veio através do uso cada vez mais contínuo de drogas ilícitas. Quando estava entorpecido, seus problemas eram apagados momentaneamente de seu cérebro, qualquer coisa soava engraçado, era uma ilusão de felicidade suprema. Sentia um bem-estar e uma paz que dificilmente conseguia em sua vidinha miserável de trabalhador assalariado em um depósito onde fazia a separação de materiais recicláveis. (Pequenos Escritos, Sinistras Histórias  por Rick Spitaleti)
Por vezes nutri uma débil esperança de que isto fosse o purgatório, que em algum lugar neste vasto desterro encontraria a montanha espiralada onde são purificadas as almas de seus pecados em vida. Nestes momentos ansiava não tanto pelo arrependimento que levaria ao paraíso, mas sim por alguma forma de transição deste lugar. Porém, percebi que a expectativa não passava de uma ilusão, uma ferramenta para lidar com a nossa incapacidade de encarar a eternidade. Somos limitados em nossa natureza finita, mancos cognitivos impossibilitados de conceber o real sentido da atemporalidade. Constatação que tornou o meu desespero ainda mais presente, reduzindo minha indiferença. (Pequenos Escritos, Sinistras Histórias  por Rodrigo Wolffenbuttel)
Os contos são narrados em primeira e terceira pessoa, com narrativas e diálogos de fácil compreensão; sua diagramação é simples e está com fontes num bom tamanho, porém, achei os espaçamentos bem rentes as laterais, o que dificultou um pouco a leitura; gostei bastante da capa que estampa uma máquina de escrever, fazendo com que o leitor imagine-o como quiser... No meu caso imaginei os amigos-contadores-de-histórias em uma madrugada fria, enveredando-se nos textos que aqui estão, junto desta lindeza de máquina. Para você que curte este gênero terror/suspense, eis uma boa pedida. \o


Coletânea: Pequenos Escritos, Sinistras Histórias
Gênero: Contos/Minicontos
Editora: Illuminare
Ano: 2015
Páginas: 104

2 comentários

  1. Felicíssimo que tenha gostado dessa coletânea, e agradeço às palavras e elogios. Sinto-me honrado por ter recebido elogios de uma escritora como você. Isso me motiva muito mais a continuar escrevendo. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eita! Só vi o seu comentário agora. De qualquer forma, o parabenizo de novo, pois é provido de grande talento para/com as palavras.

      Abraçossss, Rick. S2

      Excluir