24 de set de 2017

20 de set de 2017

"A Tempestade ou O Livro dos Dias"

A Tempestade ou O Livro dos Dias é o sétimo álbum de estúdio da banda brasileira de rock Legião Urbana, lançado em 20 de setembro de 1996. É o último disco lançado pela Legião Urbana com Renato Russo ainda vivo, sendo que após o lançamento do mesmo o cantor veio a falecer. No Brasil foram vendidos mais de 1.100.000 milhões." 



P.S: A TEMPESTADE, o álbum mais melancólico e cheio de coração. A TEMPESTADE, o álbum que tem a canção Dezesseis, aquela que sempre escutei e imaginei um filme. A TEMPESTADE, um triste e lindo poema numa vívida partitura. A TEMPESTADE, hoje, completando 21 anos. 🎈🎈🎈


[Em: 20/09/2017]

O que flui, flui. O que termina, termina. E o que tiver que ser, será.

Eu não forço mais as coisas. O que flui, flui. O que termina, termina. E o que tiver que ser, será. 

E se não for, tudo bem, porque eu só tenho espaço e energia em minha vida, para pessoas e coisas que me façam feliz. 

Temos uma mania feia de querer controlar tudo, na verdade eu diria até que somos audaciosos demais, quando achamos que as coisas vão acontecer quando e da maneira que a gente quiser. Estamos todos em uma jornada, estamos aqui para aprender a viver de verdade. 

Não existem fórmulas secretas, ou respostas prontas. 

Existe você, sua alma, seu espírito, e uma vida para ser usufruída. O desafio está em como você decide se posicionar diante de tudo o que te acontece durante a jornada. 

O que vai te motivar? O dinheiro? O poder? A fama? O sucesso? Quem você vai querer impressionar e por que? A escolha é sua, e totalmente livre. 

É preciso lembrar que para cada escolha, existe uma renúncia, e para cada ação, uma reação.  
E por falar em escolhas, saiba que a todo momento decidimos os próximos capítulos de nossa vida, cada rua que viramos, cada ônibus que pegamos, cada pessoa que olhamos nos olhos, nos levarão, a algum lugar. Então cuidado com as suas escolhas. 

Aprecie todos os presentes que Deus nos dá, seja grato pela liberdade de poder ser e fazer o que bem quiser, seja livre em sua essência, seja livre para deixar sua alma brilhar, e seu espírito evoluir. 

Não se torne prisioneiro do passado. 

O que não foi benção foi lição, e não uma sentença de morte. Errou? Aprenda, não repita e apenas continue. 

Independente de tudo, viva, encontre seu propósito, se apaixone pela simplicidade, se encante com as verdadeiras belezas, e não se engane com as falsas promessas e propagandas enganosas, nem tudo que reluz é ouro. Às vezes toda a beleza e fortuna de um diamante estão bem diante de você, e só é preciso um pouco de esforço e trabalho para lapidá-lo. 

Molduras bonitas, não salvam quadros ruins, então olhe com os olhos da alma, e sobre tudo que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem às fontes de vida.


[Por]: Wandy Luz
[Artigo via]: O SEGREDO

18 de set de 2017

[Nova Parceria]: P. M. Mariano

Olá, lovers!
A semana começou excelente, com uma nova parceria. \o/\o/\o/ Trata-se da escritora Priscila Marcia Mariano (ou P. M. Mariano). A propósito, ela entrou em contato comigo tempos atrás, contando um pouco sobre sua obra  INOCÊNCIA PERDIDA - A Saga de Um Pintor (Livro 1)  o que me deixou bastante curiosa, pois "drama" é o meu gênero predileto. Essa lindeza de obra já chegou aqui (P.S: Obrigada, Priscila!), e com certeza será a minha próxima leitura. Lembrando que a resenha do livro será postada aqui, além de mais dois blogs literários, ou seja, o "MATO POR LIVROS" e o "UMA LEITURA A MAIS". Agora convido a todos para saber um pouco mais sobre a escritora  e, claro, também sobre sua obra. Bem-vindos! ♥♥♥



(clique na imagem para maior resolução)


♥♥♥


Biografia




Priscila Marcia Mariano nasceu em 03 de outubro de 1960, em São Paulo. Mas veio a morar no Rio de Janeiro com dez anos e onde iniciou seu amor pelos livros, assim como pela escrita. Seus livros sempre focando a fantasia, a ficção, e principalmente, para o público infanto-juvenil. Sua carreira teve estreia em 2009, com a publicação de Rino, o guerreiro alado e  Um Mistério na Serra do Mar. Em 2011 iniciou a escrita da Saga de Um Pintor, com o objetivo forte de que certos segredoso devem ser revelados à luz, abrindo os olhos daqueles que só vêm a sua razão.





♥♥♥ 





Sinopse: Até onde vai a crueldade humana? Felipe sentiria na alma e no corpo que tudo não é apenas carinho e amor. Após descobrir que tinha uma família, viu que os anos passados no abrigo São Marcos, foram os melhores de sua vida. E que a felicidade que tanto desejava em família, era ilusória e, aos poucos, descobre que a vida não é tão simples, e que até mesmo entre famílias existem monstros. 

Aos onze anos sentia na pele a violência e a crueldade daquele que deveria amá-lo e protegê-lo. 

O que poderia fazer, se a vida de seu irmão dependia de ele aceitar os caprichos de uma mente doentia? Como fugir do monstro que vivia a seu lado? 

Esta é a história de um menino que tinha rosto de anjo, mas viveu um inferno na vida.





♥♥♥

Agradeço a autora pela parceria... 
✔ Bem-vinda, Priscila!!! 


**Quer ser um parceiro(a) também? 
Envie um e-mail com o assunto "Parceria" para: 
simoniass@hotmail.com

"Desculpe-me pelo que a minha ansiedade me levou a fazer"

Desculpe-me pelo que a minha ansiedade me levou a fazer. Quero que você saiba que não fui eu, foi minha ansiedade. Não sou eu, é um desequilíbrio químico em meu cérebro. Não é quem eu sou totalmente, é apenas uma parte de mim. 

A ansiedade me faz falar rapidamente, ou apenas não falar. Ela me faz ficar acordado até tarde, perambulando até as 3 da manhã enquanto minha mente ainda corre uma maratona. 

A ansiedade me faz ter olheiras tão escuras que nem o mais caro dos corretivos pode combatê-las. Ela faz meus olhos queimarem enquanto eu olho para o Sol da manhã e tento me livrar da exaustão. 

Ela me deixa realmente cansado. 

Me desculpe pelo que minha ansiedade me levou a fazer. Você precisa saber que esse não sou eu. Não é quem eu sou ou quem eu quero ser. É a ansiedade. 

A ansiedade faz com que eu vá sem parar. Ela faz com que eu vá vá e vá até acabar meu gás. Ansiedade me faz recomeçar de novo, e de novo, e de novo. Ela me faz falar coisas que eu não deveria dizer. Ela faz com que eu espalhe segredos que não deveriam ser compartilhados. Ela me faz falar sobre a personalidade das outras pessoas pelas costas, apenas para que eu me sinta um pouco mais vivo. 

A ansiedade me transforma em alguém que eu não quero ser. 

A ansiedade me faz perder alguns amigos. Ela me deixa paranóico sobre ninguém me amar de verdade. Ela me faz cancelar encontros porque tenho medo. Ela faz minhas mãos tremerem por motivo algum. Ela me faz achar que estou ficando louco. 

A ansiedade me faz ficar em casa quando o tempo está lindo e ensolarado. Ela me faz não encontrar meus amigos ou parentes, mesmo que eu queria encontrá-los. 

Ela me faz tomar uma pílula toda manhã para combater os demônios na minha cabeça. 

A ansiedade me faz pensar as piores coisas sobre mim mesmo. 

A ansiedade me diz que não sou bom o bastante, que não sou forte o bastante. Ela me diz que sempre estarei sozinho e que sempre será assim. Ela me diz que meus amigos não são meus amigos de verdade e que ninguém nunca irá me amar. 

Me diz que nunca superarei meus antigos relacionamentos, não importa quanto tempo passe. A ansiedade faz com que eu me torne uma versão mais triste de mim. Ela faz com que eu gagueje e não possa beber muito café. Ela me deixa com medo do amor. Ela me faz cancelar meus planos. 

A ansiedade faz com que eu me isole de todas as pessoas que amo. 

Ela me deixa cansado, ela faz com que seja tão difícil respirar quando tudo que eu quero é respirar. A ansiedade faz com que eu esconda minhas mãos das pessoas para que elas não possam ver minhas unhas pintadas. Ela me faz odiar a todos e a tudo. Ela me faz pensar que não há sentido algum na luz do dia, que há muito mais escuridão no mundo do que eu possa imaginar. Então, me desculpe pelo que minha ansiedade me levou a fazer. Eu lamento pelo que minha ansiedade me diz. 

Me desculpe por cancelar com você. Me desculpe pelas mensagens que mandei bêbado. Me desculpa por morder meus dedos até sangrarem. Me desculpe por tentar respirar. Me desculpe por cuspir as palavras ao invés de deixar que meu cérebro acompanhe meus pensamentos. Me desculpe por pensar demais, me desculpe por não conseguir mudar isso. Me desculpe pelo meu cérebro. Me desculpe, mas você tem que lidar com isso. Espero que você entenda: a culpa é da ansiedade, não minha. 

[Via]: Awebic